quarta-feira, 4 de abril de 2012

As Grades do Pecado

“As obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Dessas coisas vos previno, como já vos preveni: os que as praticarem não herdarão o Reino de Deus!” (Gal 5, 19-21)

O pecado é amor de si mesmo até o desprezo de Deus, isso é o que nos ensina santo Agostinho. O pecado é sempre uma desobediência a Deus, onde deixo de seguir aquilo que Ele me manda pra seguir minha carne, logo produzo obras da carne e estando pela carne, minha imagem e semelhança de Deus ficam desfiguradas. O pecado mancha nossa imagem e semelhança, o pecado tira a nossa comunhão com Deus (CIC 1462), nosso pecado ofende aquele que nos criou livremente por amor e para nos amar!

Paulo na sua extensa lista de pecado que expõe aos Gálatas, tenta mostrar de forma prática alguns pecados, não fala de todos. Quando falamos de pecado, falamos daquele que é pecador desde o princípio, e também o princípio do pecado, a serpente que engana Eva, tem na história do povo de Deus enganado filhos e filhas do Pai eterno e levado eles a pecar. O pecado nasce de uma tentação geralmente, ser tentado não é pecado, ceder às tentações isso sim é pecado. Sentir desejos também não é pecado, nem mesmo o desejo sexual, aliás, nunca é pecado sentir desejo sexual, mesmo que o objeto desse desejo seja pecaminoso, porque o desejo foi colocado por Deus, sentir nunca é pecado, mas consentir se torna pecado se a relação não é dentro de um matrimônio. (CIC 2390)

O pecado cria redes, gera uma propensão ao pecado (CIC 1865). Na raiz de todos os vícios está o pecado, o próprio vício é um pecado. Quando eu me aprisiono, me torno dependente, eu renuncio a liberdade que Cristo conquistou pra mim na cruz, e passo a viver mais uma vez como escravo, sendo que Cristo nos libertou para a liberdade (Gal 5, 1). A repetição de pequenos pecados (veniais), produz os vícios, entre os quais avultam pecados graves (capitais) (CIC 1876).

Portanto, na raiz de todos os vícios existem pecados, portanto, ser viciado em drogas, cigarro ou álcool é pecado, mas usá-los uma vez, também o é, visto que o uso mesmo esporádico é raiz de uma dependência, e quem nunca usar, jamais será viciado. O vício é a perversão das emoções e dos sentimentos (CIC 1768). O vicio em alguma coisa: jogo, álcool, cigarro, droga, sexo, novela, etc. é uma busca por Deus, nosso coração sempre busca a Deus, mas quando somos desviados pelo pecado, tentamos preencher nosso coração, que depende de Deus, com coisas que não são capazes de substituir o Senhor, porque o vazio que temos no peito é do tamanho de Deus, portanto, como nada é maior que Deus, nada substitui a presença de Deus. Por isso, sempre precisamos de mais, sempre queremos mais, essa é a raiz da propensão ao pecado, quanto mais pecamos, mais nos afastamos de Deus, mas cresce o vazio no coração, mais precisamos de algo pra colocar no lugar, logo, buscamos mais pecados, se for droga, eu aumento a dose, se for o sexo, eu busco novos parceiros, se for as baladas, procuro festas cada vez mais atraentes, com mais drogas, com mais horas de duração, com o som mais alto.

É preciso diferenciar vício de dependência. Não sou especialista no assunto, mas creio que todo dependência seja um vício, mas nem todo vício seja um dependência. Existe uma diferença entre o vício de álcool, que é uma dependência química e o vício de ver televisão. Se uma pessoa vê televisão todos os dias, não quer dizer que ela é viciada ou que vai ser viciar, a maioria das pessoas assistem TV todos os dias e não são viciadas, mas certamente, se alguém consumir álcool todos os dias irá se viciar, porque o corpo vai criar tolerância, logo precisa aumentar a quantidade de álcool pra fazer o efeito desejado. Assim são todas as drogas, inclusive o cigarro. Mas no caso de ver televisão, só porque eu assisto todos os dias o jornal, não quer dizer que eu tenha necessidade de ver mais televisão com o passar do tempo. Mas eu posso ser viciado em televisão, em internet, posso ser viciado em qualquer atividade, mas são reações psicológicas, isso não significa que se eu fizer isso na minha rotina eu vá ser um viciado. Diferente é o uso se álcool, cigarro e drogas, porque as reações são fisiológicas, e o corpo desenvolve tolerância que me faz aumentar a dose, e desenvolve dependência, que me faz procurar sempre, e até mesmo, fazer tudo pelo objeto de minha dependência.

Todo vício é um pecado grave (CIC 1876), mas precisamos analisar o início dele, no caso de uma dependência, é preciso fugir de seu início, o primeiro uso, ou mesmo o uso freqüente, para que eu não caia nesse vício. Não deis entrada ao demônio (Efe 4, 27). Ser viciado em ver televisão ou ser alcoólatra, é pecado do mesmo jeito. Nossa juventude tem mergulhado nos vícios, do sexo, das drogas, do álcool, da internet, da pornografia. Como Jovens profetas, precisamos anunciar Aquele que pode preencher o vazio no peito que existe nesses jovens, preencher essa vontade de Deus que a juventude tem e que está procurando em lugar errado. Vemos uma incessante busca por parte dos jovens, mas muitos, digo à vocês jovens profetas, estão procurando Deus no pecado, porque alguém não lhes mostra o caminho. Anuncie Jesus, é sua missão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...