domingo, 8 de abril de 2012

ONU: avanço perigoso GAY do totalitarismo

Por John C. Sanahuja

Reinterpretação da reengenharia social anti-cristã

Em 15 de Dezembro, reuniu-se o primeiro relatório das Nações Unidas sobre alegados direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT), intitulado “As leis e práticas discriminatórias e atos de violência cometidos contra pessoas por causa de sua orientação, identidade sexual e de gênero. “
O relatório inclui uma reinterpretação da Declaração Universal dos Direitos Humanos segundo a qual inclui o suposto direito a “orientação sexual ”e” identidade de gênero”.
A reinterpretação foi anunciado este ano pelo Secretário Geral da ONU Ban Ki-moon (qv NG 1097 ) e formado pelo Conselho de Direitos Humanos (vid. NG 1114 ). Na época, a Santa Sé (Vaticano) foi fortemente rejeitada porque para eles incentiva a “perseguição” daqueles que não aceitam o estilo de vida homossexual .
O texto exorta os Estados membros a evitar qualquer forma de tratamento objetivamente errado, como assassinatos, seqüestros, privação arbitrária de liberdade, etc, contra a qual, em todos os países civilizados, existem normas legais gerais que protegem todos os cidadãos e não apenas os homossexuais. Mas também “avança” exigindo o reconhecimento dos alegados direitos, com a finalidade de impor o estilo de vida gay em todo o mundo.
Infiltrar todos os aspectos da homossexualidade

Para acomodar os direitos de alegada gays, lésbicas e transexuais relatório reinterpreta todo o sistema de direitos humanos da ONU, usando as numerosas observações gerais e recomendações aos Estados individuais, decorrentes de comissões de acompanhamento dos tratados de direitos humanos, que distorcem os textos desses instrumentos internacionais, por exemplo, os Pactos de Direitos Civis e Políticos e de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais.
O relatório condena o uso de termos como “crimes contra a natureza,” moralidade “” ou “libertinagem” aplicada ao estilo de vida gay. No texto as referências a “fundamentalismo” de “extremistas religiosos extremistas, paramilitares, neo-nazistas e nacionalistas”, unindo todos aqueles que se opõem, com razão ou não para as reivindicações de grupos LGBT.
A lista das alegadas discriminações abrangem as seguintes áreas:

- Educação: entre outras coisas, você não pode negar a entrada ou expulsar um aluno por sua “orientação sexual ou gênero de expressão.” ” A escola e autoridades educacionais devem integrar os princípios da não discriminação e da diversidade no currículo e na língua usada nas escolas. A educação sexual deve incluir o direito de receber informações completas, precisas e adequadas sobre a sexualidade humana. Os jovens têm acesso às informações necessárias para levar uma vida saudável decisões e escolhas informadas para se proteger e proteger os outros de infecções sexualmente transmissíveis. Os meios de comunicação também têm um papel a desempenhar na eliminação de estereótipos negativo sobre lésbicas, gays, bissexuais e trans , particularmente em programas de televisão populares entre os jovens. “
- Saúde: deve ser acomodado “às necessidades específicas de lésbicas, gays, bissexuais e trans.” Deve ser descartada “terapia reparativa” da condição homossexual como “potencialmente prejudiciais e contribuem para o estigma.” O Transexual deve ter cirurgia de mudança de sexo gratuita. Não se pode discutir com “supostas ameaças à saúde pública ou a moral” para restringir as informações sobre a orientação sexual, ou socorrer-se do conceito de “decência”, ele pode ter um efeito negativo sobre iniciativas de saúde pública, incluindo em relação a transmissão de HIV / AIDS.
- Na família e das comunidades: deverá ser reconhecida social e legalmente os casais gays (casamento), o que significa dizer: o “direito” à liberdade de casamento e divórcio, que devem ser reconhecidos pelo “entidades do setor privado, como mutuários dos planos de saúde e companhias de seguros.”
- O reconhecimento da identidade de gênero: Os transexuais devem ter o direito de “obter o reconhecimento legal de seu gênero preferido, incluindo a modificação do sexo e nome nos documentos de identidade.”
Países “exemplares”

O relatório menciona referências elogiosas à Espanha e Honduras , porque eles têm apontado os procuradores especiais para investigar e processar casos de discriminação baseada na orientação sexual e identidade de gênero naAlemanha , Brasil, Equador , Holanda e Uruguai , porque têm usados os “Princípios de Yogyakarta” para orientar as respostas políticas aos incidentes de violência e discriminação; “a Argentina por sua proteção aos transsexiaos e, finalmente, Brasil merece uma segunda menção positiva: “No Brasil , o governo apoiou uma campanha de educação pública com slogan “Brasil sem homofobia ”.
Finalmente, é importante ter em mente as declarações de Charles Radcliffe, autor do relatório e chefe de seção do Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos, “ todos têm a liberdade religiosa, mas as crenças religiosas e valores culturais predominante não pode justificar a privar os outros de seus direitos básicos . “
O relatório será tratado pelo Conselho de Direitos Humanos em março do ano seguinte. FIN, 26/12/11

Fonte: Wire, própria ONU, 15/12/11; Alto Comissariado das Nações para os Direitos Humanos: Relatório Anual do Alto Comissariado para os Direitos Humanos e relatórios do Escritório do Alto Comissariado eo Secretário-Geral, A/HRC/19/41, 11/17/11.
Traduzido por Zenóbio Fonseca

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...