quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Grupo de travestis lança calendário com referências religiosas


Grupo de travestis lança calendário com referências religiosas 

Um grupo de travestis lançou nesta quarta-feira (16) um calendário com fotos onde eles representam diversos símbolos religiosos. O lançamento foi feito em Fortaleza, Ceará, e chamou a atenção da mídia pela ousadia das fotos.
Este é o segundo ano consecutivo que o grupo lança o “translendário” e o tema foi escolhido exatamente para chamar a atenção de quem criticou a primeira edição que traziam replicas de imagens sacras como a Última Ceia, de Leonardo da Vinci.
No ano passado nós retratamos imagens clássicas, não apenas religiosas. Se eles entenderam isso como ofensivo, esse vai ser mais ainda”, diz o idealizador do projeto, Silvero Pereira.
Uma das imagens que faz parte deste calendário mostra a crucificação inspirada no artista espanhol Salvador Dali. Apesar de toda a produção, Andrei Bessa, diretor de arte do calendário garante que o objetivo não era retratar Jesus.
“O objetivo não é retratar Jesus Cristo. Nós nos inspiramos em religiões e criamos nossos santos e deuses”, afirma.
Além de Jesus, Thor, deus da mitologia nórdica, também foi retratado no translendário, inspirando a personagem “deusa dos incubados” que faz uma crítica ao que eles chamam de sociedade machista que mantém os homossexuais incubados, isto é, sem poder assumir suas escolhas sexuais.
Outra foto polêmica é a chamada de “Nossa Senhora Protetora das Esquinas”, inspirada em uma santa católica a representação tem como objetivo alertar sobre os perigos que os travestis correm por se prostituírem nas esquinas de todo o Brasil.
“O objetivo do calendário não é causar confusão, mas inserir os travestis na sociedade. Por que um travesti não pode ser associado a uma religião?”, questiona Silvero.

Mulher ganha causa por discriminação religiosa na Inglaterra


Mulher ganha causa por discriminação religiosa na Inglaterra 

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos julgou nesta terça-feira (15) o caso de Nadia Eweida que em 2006 foi impedida de trabalhar usando uma corrente com pingente de cruz. Ela entrou na justiça com uma ação que foi levada até a última instância onde ela conseguiu ganhar a causa podendo ter o direito de usar o símbolo religioso.
Eweida é funcionária da companhia British Airways e trabalhava no balcão de check-in do aeroporto de Heathrow quando foi obrigada a voltar para casar depois de se recusar a retirar ou cobrir o crucifixo.
Depois que este caso ganhou repercussão mundial a companhia aérea mudou suas regras internas dando aos trabalhadores o direito de expressarem suas crenças religiosas, mas a ação tanto contra a empresa como ao governo britânico já estava em andamento.
No mesmo dia o Tribunal Europeu de Direitos Humanos julgou os casos similares que aconteceu com outras três pessoas: a enfermeira Shirley Chaplin, 57 anos, que foi impedida de usar um colar com cruz no trabalho, o conselheiro matrimonial Gary McFarlane, 51 anos, que não aceitou fazer terapia com casais gays e foi demitido, e a secretária Lillian Ladele que se recusou a realizar cerimônias de união civil entre pessoas do mesmo sexo.
Ao julgar todos estes casos os juízes definiram que as empresas privadas terão que reconsiderar a forma como tratam os direitos de seus funcionários quando o assunto for fé a expressão dessas crenças.
A decisão foi tomada em cima dos artigos 9 e 14 da Convenção Europeia dos Direitos Humanos que protegem os direitos de “liberdade de pensamento, consciência e religião”. Outro argumento usado pelos juízes para dar causa ganha aos trabalhadores foi a discriminação religiosa.

Com informações da BBC News.

Quem ridiculariza os evangélicos não é a Globo, diz jornalista

Em um artigo para o site TV Foco o colunista fala da polêmica da tentativa de boicote à minissérie "O Canto da Sereia".Quem ridiculariza os evangélicos não é a Globo, diz jornalista
Ao falar sobre o final da minissérie “O Canto da Sereia”, o jornalista Neto Amorim do site TV Foco comentou também a tentativa de boicote ao programa e alfinetou o líder da Igreja Universal do Reino de Deus que estaria usando o programa Domingo Espetacular para criticar a emissora carioca.
Amorim começa o texto citando os índices de audiência da microssérie que teve quatro capítulos. A média de 23 pontos não foi considerada ruim, já que deixou a emissora carioca em primeiro lugar.
Quem ridiculariza os evangélicos não é a Globo, diz jornalistaAo falar sobre este sucesso, o jornalista então comenta a tentativa de boicote feita por evangélicos que reclamaram da ligação que a personagem principal, interpretada por Ísis Valverde, tinha com Iemanjá, um dos orixás do candomblé.
Pelo que Neto Amorim entendeu do boicote era para reclamar da forma como a Globo ridiculariza evangélicos e exalta as outras religiões, mas para ele não é a emissora quem mancha a imagem dos religiosos no Brasil.
“Quem ‘ridiculariza’ a imagem dos evangélicos, não é a Globo, são os próprios evangélicos (pelo menos alguns). Falo daqueles que seguem determinada doutrina, e fazem questão de atacar as outras, com palavras ofensivas e bizarras, ou seja, os evangélicos fanáticos”, escreveu o colunista do TV Foco.
O texto ganhou o título de “O Canto da Sereia e o falso moralismo dos bispos” já que ele aproveita para citar que assim como a Globo promove o catolicismo e o candomblé, a Rede Record usa seu espaço para mostrar minisséries bíblicas, portanto, exercendo o seu direito de escolha.
O jornalista comenta que praticantes de outras religiões nunca fizeram protestos virtuais criticando essas minisséries. “Cada um é livre para escolher sua doutrina, e o canal que quer assistir”.
Ele também critica a reportagem do Domingo Espetacular da última semana que conversou com pastores que fizeram diversas críticas a programa da Globo e mostraram seu posicionamento sobre incentivar seus fiéis a não assistirem a programação, principalmente a microssérie e a novela “Salve Jorge”.
Leia o artigo na íntegra. Clique aqui.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Líder católico chama judeus de “inimigos da igreja” e recebe criticas


Líder católico chama judeus de “inimigos da igreja” e recebe criticas 

Líder católico chama judeus de “inimigos da igreja” e recebe criticas
Durante uma conferência realizada em Ontário, Canadá, em 28 de dezembro de 2012, monsenhor Bernard Fellay, Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, fez uma série de criticas a alguns procedimentos do Vaticano durante os dois últimos anos.
Durante as duas horas de sua fala, ele reclamou diante dos membros da Fraternidade do fracasso das conversas com Roma sobre uma reintegração da Fraternidade na Igreja. Mas ao afirmar que “os judeus, os maçons e os modernistas” eram “inimigos da Igreja” acabou gerando uma grande polêmica ao ser postada no Youtube. Grupos de defesa dos judeus classificaram as declarações como antissemitas, reascendendo um debate de séculos.
Segundo Fellay, estes “inimigos” querem que Roma “obrigue” a Fraternidade a aceitar as decisões do  Concilio Vaticano II (1962-1965). Para o monsenhor, isso mostraria que o Concílio é “coisa destas pessoas do exterior da Igreja, que ao longo dos séculos, foram claramente inimigos da Igreja” e se beneficiam com o Vaticano II. Ele ressaltou ainda o mal que a influência da maçonaria teria causado no Vaticano em anos passados.
Depois de várias criticas, somente agora o Vaticano se pronunciou a respeito. O cardeal suíço Kurt Koch, “ministro” do Vaticano nas relações com o judaísmo, lembrou que a encíclica “Nostra Aetate” é a “Carta Magna” do diálogo com os judeus e lembrou as “raízes judaicas do cristianismo”.
Por sua vez, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, garantiu que a Igreja Católica estava “profundamente empenhada no diálogo” com o judaísmo e que a posição da Santa Sé sobre essa questão é bem “clara e conhecida”.  Ressaltou ainda que Bento XVI durante suas viagens, visitou a sinagogas “de Colónia a Nova Iorque, de Roma e Jerusalém”.
Por sua vez, Fellay emitiu nota ressaltando que a palavra “inimigos” foi usada aqui como um conceito religioso para referir-se a qualquer grupo que se oponha à missão da Igreja Católica que é a salvação das almas.
Segundo a nota “Este contexto religioso se baseia nas palavras de nosso Senhor Jesus Cristo segundo consta nos Santos Evangelhos: “Quem não está comigo está contra mim; e quem não ajunta comigo, espalha.” (Mateus 12: 30)
Ao referir-se aos judeus, comentário de Mons. Fellay referia-se aos líderes das organizações judias, e não ao povo judeu. Consequentemente, a Fraternidade de São Pio X denuncia as falsas acusações reiteradas de antissemitismo ou de discurso de ódio feitas com a finalidade de silenciar a sua mensagem”.
O problema é que, em 1985, um dos fundadores da Fraternidade, Dom Marcel Lefebvre, listou os inimigos da fé como sendo “judeus, comunistas e maçons”.
O papa Bento 16 teve uma série de discussões doutrinais com a Fraternidade São Pio X, em 2009, chegando a excomunhões impostas aos seus quatro bispos, pois foram ordenados em 1988 sem a aprovação papal. Mas já expressou suas esperanças que a Fraternidade poderia voltar à plena comunhão com a Igreja.
Em 2011, quando o Vaticano deu os líderes da Fraternidade  um “preâmbulo doutrinal” que define os princípios e critérios necessários para garantir a fidelidade à igreja e ao seu ensino, eles se recusaram.
 Traduzido de Huffington Post e Catholic News.        

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Assembleia de Deus publica relatório afirmando que pentecostalismo vai salvar o cristianismo


A edição de janeiro/13 do jornal “Mensageiro da Paz”, da CPAD, trouxe uma matéria intitulada “Pentecostalismo manterá protestantismo vivo”, na qual afirma que o crescimento do segmento pentecostal irá sustentar a existência das igrejas cristãs protestantes.

O relatório aponta que 70% dos 900 milhões de protestantes no mundo são pentecostais. O estudo diz ainda que, em 2025, os pentecostais serão mais de um bilhão em todo o mundo, que representam 45% de todos os cristãos, incluindo católicos, ortodoxos e protestantes em geral.
No Brasil, as igrejas pentecostais estão apresentando uma grande expansão, de acordo com Censo 2010 realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O Censo constatou o aumento em todas as regiões do Brasil. Outra pesquisa, realizada em (2006) pela Pew, relata também que a maioria dos evangélicos no Brasil foi identificada como pentecostal.

De acordo com o Noticias Cristiana, a reportagem do jornal da CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus), mostra uma estimativa do Instituto Hartford de Pesquisa Religiosa, publicada pelo MP em janeiro de 2006, relatando o crescimento dos pentecostais no mundo.

Rabinos de Israel fazem campanha contra aborto


Rabinos de Israel fazem campanha contra aborto
Através de cartas, dois grandes rabinos de Israel pediram apoio para a organização Efrat que atua contra a realização do aborto. Shlomo Amar e Yona Metzger disseram que o procedimento de interrupção da gravidez é um “assassinato” e que oferecendo ajuda financeira às mulheres podem desistir de cometê-lo.
“É preciso apoiar as organizações que oferecem ajuda financeira às mulheres que não querem abortar, já que se trata de um assassinato que não merece nenhuma contemplação”, disse o rabino Metzger em entrevista a uma rádio militar.
Na carta, os dois líderes afirmam que a Efrat conseguiu “salvar em um ano 4 mil vidas” e que por isto merece o apoio de todos os judeus que são contra o aborto. “Neste ano desejamos conscientizar mais pessoas do caráter extremamente grave da decisão de matar um feto”, continua o texto.
Em Israel o aborto é permitido para mulheres com menos de 17 anos, para mulheres com mais de 40 anos e para vítimas de estupro ou relações incestuosas. Quando há malformação do feto ou se a gravidez colocar a saúde da mãe em risco uma comissão médica também pode entrar com o pedido para realizar o aborto.
O jornal Haaretz afirma que está não é a primeira vez que os religiosos se pronunciam contra o aborto, mas que a nova carta tem um conteúdo mais duro para tentar impedir que os procedimentos continuem sendo realizados. As informações são do Terra.

Rabinos de Israel fazem campanha contra aborto


Rabinos de Israel fazem campanha contra aborto
Através de cartas, dois grandes rabinos de Israel pediram apoio para a organização Efrat que atua contra a realização do aborto. Shlomo Amar e Yona Metzger disseram que o procedimento de interrupção da gravidez é um “assassinato” e que oferecendo ajuda financeira às mulheres podem desistir de cometê-lo.
“É preciso apoiar as organizações que oferecem ajuda financeira às mulheres que não querem abortar, já que se trata de um assassinato que não merece nenhuma contemplação”, disse o rabino Metzger em entrevista a uma rádio militar.
Na carta, os dois líderes afirmam que a Efrat conseguiu “salvar em um ano 4 mil vidas” e que por isto merece o apoio de todos os judeus que são contra o aborto. “Neste ano desejamos conscientizar mais pessoas do caráter extremamente grave da decisão de matar um feto”, continua o texto.
Em Israel o aborto é permitido para mulheres com menos de 17 anos, para mulheres com mais de 40 anos e para vítimas de estupro ou relações incestuosas. Quando há malformação do feto ou se a gravidez colocar a saúde da mãe em risco uma comissão médica também pode entrar com o pedido para realizar o aborto.
O jornal Haaretz afirma que está não é a primeira vez que os religiosos se pronunciam contra o aborto, mas que a nova carta tem um conteúdo mais duro para tentar impedir que os procedimentos continuem sendo realizados. As informações são do Terra.

Pastores pedem “heroína evangélica” em novela da Rede Globo


Pastores pedem “heroína evangélica” em novela da Rede Globo 
             
A aproximação da Rede Globo com os evangélicos continua rendendo. Depois de contratar vários artistas gospel para sua gravadora, Som Livre, e exibir o Festival Promessas, o próximo passo deve ser uma “heroína evangélica” em uma de suas produções.
Amauri Soares, o coordenador dos projetos especiais da Globo, irá almoçar com o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.  A conversa deve ser sobre os “interesses comuns” entre emissora e evangélicos, afirma a Folha de São Paulo.
Além disso, Soares deverá ter uma reunião ainda este mês com o bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra.
Esses encontros com os líderes evangélicos são um desdobramento da reunião em 12 de novembro passado, quando 17 pastores estiveram no Projac, os estúdios da Globo no Rio. Embora muito criticada por segmentos da igreja, essa reunião teve como pauta “apoio e cobertura” para eventos como Marcha para Jesus, Dia do Evangélico e Dia da Bíblia.
Karina Bellotti, doutora da Unicamp que estuda mídia e religião acredita que “Nos últimos cinco anos, a Globo se aproximou desse público porque tem lhe conferido não somente peso de formação de opinião, mas também de mercado consumidor”. E acrescenta “é importante destacar que a bancada evangélica cresceu no Congresso, assim como o poder aquisitivo de muitos evangélicos que ocupavam a classe C”.
Por sua vez, o pastor Silas Malafaia reforça que “não há nenhum acordo para nos proteger” e  ”Que cada pastor que pague a conta pela sua besteira.” Rodovalho comemora “A decisão [de abrir mais espaço para evangélicos] é deles.
Para os líderes está na hora de a Globo investir em personagens evangélicos na teledramaturgia. Recentemente, a Globo mostrou duas coadjuvantes evangélicas: Ivone (Kika Kalache), de “Cheias de Charme”, e Dolores (Paula Burlamaqui), de “Avenida Brasil”. Mas a recepção entre os evangélicos não foi boa, pois eram estereotipadas.
Segundo a assessoria da Globo, nesse último encontro os pastores “manifestaram o interesse em falar sobre o perfil atual do evangélico brasileiro para autores e roteiristas. A emissora considera a contribuição relevante, assim como as que recebe de vários segmentos da sociedade, inclusive de outras religiões”.
O fato é que os casamentos nas novelas geralmente são católicos. E o tema do espiritismo nas produções da Globo são constantes. Quando aparecem personagens evangélicos, “é crente, mas vagabundo. É pastor, mas safado”, provoca Malafaia.
No passado, Malafaia trocou abertamente farpas com a Globo por conta do que considerava um preconceito. “Em 25 anos, vin-te e cin-co [pontua cada sílaba], lembro de apenas uma reportagem boa na Globo sobre evangélicos. E tem semana em que, todo dia, o ‘Jornal Nacional’ fala bem da Igreja Católica”, explica.
Mas os tempos são outros. “No passado, éramos corpos estranhos, não tínhamos nenhum diálogo. Agora é diferente”, conclui Rodovalho.

Evangélicos pedem boicote de “O Canto da Sereia”


Evangélicos pedem boicote de “O Canto da Sereia” 
 Evangélicos pedem boicote de “O Canto da Sereia”

“O Canto da Sereia” é um dos projetos especiais da rede Globo para o verão. A microssérie de quatro capítulos é baseada em um texto de Nelson Motta. Sua estreia ocorrerá nesta terça (8) depois do primeiro dia do BBB 13, o que deve garantir uma boa audiência.
Mas a temática anunciada, que trataria de temas como bissexualidade e o culto a Iemanjá, despertou a ira de segmentos da igreja evangélica. Semelhantemente ao que foi feito contra a novela “Salva Jorge”, vários cristãos estão usando as redes sociais pedindo o boicote do programa. Curiosamente, isso ocorre ao mesmo tempo em que pastores pedem que a Globo dê mais espaço aos evangélicos e mostre uma “heroína gospel” em suas novelas.
O perfil do Facebook do pastor Divino Aleixo Marinho, da Igreja Pentecostal Betel Palavra De Fogo, aparentemente foi o primeiro mencionar uma campanha contra a minissérie. Ele compara a temática africana com “Salve Jorge” e critica a atriz Isis Valverde por interpretar uma cantora de axé bissexual, que seria uma personificação de Iemanjá ou Oxum, como é conhecida a entidade no meio afro.
Segundo o portal R7, a atriz declarou que interpretar essa personagem é uma experiência que envolve uma “energia” diferente. ”É um tesão anormal. Quando acaba a gravação e tomo um banho, viro a Isis de novo. A energia vai embora e fico podre”, explicou.
A imagem foi reproduzida por várias pessoas e chegou ao conhecimento da autora Glória Perez, que supervisionou o texto da microssérie. Ela se mostrou indignada ao ver os evangélicos tentarem associar a temática espiritual com entidades afro-brasileiras.  Recentemente a escritora criticou publicamente a Rede Record e o bispo Macedo.
“Fizeram a mesma coisa com #SalveJorge! Q medo desse modo talibã de ser!” postou ela no Twitter na noite deste domingo (6).
Sua referência é ao texto do pastor que acompanha a imagem, e diz:
“Eta globo que n desiste … Mas estamos aq pra isso pra sermos profetas e denunciar o pecado… medite neste estudo mas leia com atenção 

Personagem de Isis Valverde em ‘O Canto da Sereia’ será Bissexual
LEIAM E PARTILHEM É UMA CAMPANHA EM MASSA IGUAL A DA NOVELA OK?
A minissérie ‘O Canto da Sereia’ agora é Oxum (Iemanjá) estreará em Janeiro na Rede Globo.
A trama trará em seu enredo um assunto pouco visto pelos telespectadores: O BISSEXUALISMO. Quem estará à frente do tema será Sereia, uma cantora de axé, protagonista da série, que será interpretada pela atriz Isis Valderde.

Na trama, Sereia se relacionará com homens e mulheres e viverá momentos intensos de paixão. “Ela é livre sexualmente”: diz Isis Valverde. O primeiro amor de Sereia será o produtor musical Paulinho de Jesus, interpretado por Gabriel Braga Nunes. Paulinho será o responsável por descobrir o talento oculto da cantora. Pouco tempo depois, ela passa a namorar sua empresária Mara, vivida por Camila Morgado.
Curioso o fato de a atriz Isis ter o mesmo nome da deusa Isis que é personificada pelas deusas romanas, gregas, Olímpio, Atenas, que são todas na verdade:

Semíramis;
Astarote;
Diana;
Afrodite;
Iemanjá e Oxum.
Todas elas são uma só: Eva endeusada pela serpente no Jardim do Éden”

Sacerdotes gays podem ser ordenados como bispos na Igreja Anglicana


Sacerdotes gays podem ser ordenados como bispos na Igreja Anglicana 
No início deste ano a Igreja Anglicana anunciou que não há mais proibição que impeça que sacerdotes gays sejam ordenados a bispos. A nova regra, contudo, pede para que estes sacerdotes escolham a abstinência sexual.
Em comunicado oficial emitido pela Câmara dos Bispos diz que o sínodo “confirma que os requerimentos colocados nas regras de 2005 acerca da eligibilidade para ordenação para aqueles em relações civis que são consistentes com o que é ensinado na Igreja da Inglaterra se aplicam igualmente”.
Em 2005 ficou decidido que os religiosos podem estabelecer relações homossexuais civis desde que mantiverem o celibato como foi o caso do reverendo Jeffrey John, reitor de St. Albans. Ele tem um relacionamento de longa duração com outro religioso e afirma que não há conjunção carnal entre eles, mas mesmo assim em 2003 ele não pode ser ungido como bispo.
Ao saber da nova decisão, John comemorou a possibilidade de sua ordenação. “Se for genuinamente verdadeiro que todos os níveis de ordenação estejam abertos a pessoas gays, então é algo muito bom”, disse ele.
O anúncio do fim da proibição gerou polêmica entre os fiéis da igreja anglicana já que recentemente foi vetado a unção de mulheres como bispos.

Antigo templo cristão vira igreja ateísta


Antigo templo cristão vira igreja ateísta          
Neste domingo (6) começaram as reuniões da primeira igreja ateísta que foi aberta pelos comediantes Sanderson Jones e Pipa Evans em Islington, na Grande Londres, Inglaterra.
Com o nome de “Assembleia de Domingo” o espaço, onde antes funcionava um templo cristão, vai promover semanalmente um espaço para reuniões e debates tendo alguns temas pré-definidos.
A ideia de criar uma igreja ateísta surgiu depois da divulgação do censo que mostrou que naquela região, um a cada três moradores é ateu.
Jones e Evans resolveram investir no local e deixá-lo aberto para a realização de casamentos e funerais. “Se ela [igreja] se tornar um lugar útil para as pessoas, será muito bom”, disse o comediante.
The Sunday Assembly
O primeiro convidado palestrante foi Andy Stanton, escritor de livros para crianças, ele se apresentou para os membros da nova igreja durante a inauguração. Todos os domingos haverá um convidado especial. Com informações Paulopes.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...